13 de ago de 2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E IN

O Departamento de Psicologia Social e Institucional da UFRGS oferece em 2009/2 a disciplina REDES DE CUIDADO E POLÍTICAS DE SAÚDE MENTAL, que será também ofertada como curso de extensão para interessados no tema que não tenham vínculo com a Universidade.

A disciplina busca contribuir para a constituição de uma ética nos modos de intervenção em saúde mental, produzindo ressonâncias que ampliem a clínica para além dos espaços dos serviços. Com isso, tentaremos problematizar como as novas tecnologias vêm possibilitando a melhoria nos modos de atenção à saúde, percorrendo e desdobrando alguns conceitos-ferramentas. Para tanto, propõe-se a discussão das tecnologias de cuidado enquanto acoplamentos que virtualizem novas formas de invenção do viver, procurando evitar polarizações quer ao lado do sujeito quer ao lado do mundo, mas focando nas formas como ambos são simultaneamente co-engendrados. Neste sentido, também será importante percorrermos o SUS, assim como a Política Nacional de Humanização da gestão e da atenção à saúde. Para dar conta desses estudos, teremos os seguintes operadores conceituais a nortear nossa análise: cognição inventiva, ecologia cognitiva, tecnologias de cuidado, saúde coletiva, clínica ampliada e sistema-rede na clínica da reforma.

OBJETIVO

- Contribuir como espaço acadêmico para uma renovação dos conceitos-práticas que constituem os processos de saúde coletiva, podendo tal aprendizagem ser levada para o desenvolvimento de futuros trabalhos junto ao campo de saúde;

- Refletir sobre conceitos-ferramentas que poderão operar nas práticas da clínica ampliada;

- Aprofundar a discussão sobre as interfaces da Política Nacional de Humanização e da Reforma Psiquiátrica brasileira;

- Discutir o estudo das redes em saúde e sua importância para o trabalho em saúde mental coletiva.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

- Paradigma da cognição inventiva e sua possibilidade de encontro com o Paradigma ético-estético;

- A individuação subjetivo-coletiva (do sujeito e objeto) – Autopoiese, modo-individuo, alteridade;

- Políticas Públicas no Brasil: o processo de construção do SUS e seus desencadeamentos na atualidade;

- Conceito de Humanização e a Política Nacional de Humanização como estratégia de mudança;

- Tecnologias do cuidado - clínica ampliada;

- Tecnologia da informação e redes de conversação;

- Ampliação da clínica na concepção de redes de cuidado na atenção à saúde;

- O A.T. como dispositivo clínica-político no processo da reforma psiquiátrica brasileira;

METODOLOGIA

Os encontros serão realizados em forma de seminário, contando com dispositivos textuais e cinematográficos, assim como qualquer outra forma que desencadeie nossas discussão e que surjam no decorrer dos encontros. Os debates serão conduzidos por uma dos coordenadores, por aluno responsável ou palestrante convidado.

AVALIAÇÃO

A avaliação será composta pela freqüência em aula, participação nos debates e elaboração de ensaio–escrita contendo considerações sobre temas abordados na disciplina.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARTMANN, Elizabeth; RIVERA, Francisco Javier Uribe. Humanização no atendimento em saúde e gestão comunicativa. In: DESLANDES, Suely Ferreira(org.). Humanização dos Cuidados em Saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz.2006. p.205-231.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Cuidado e Humanização das Práticas de Saúde. In: DESLANDES, Suely Ferreira (org.) Humanização dos Cuidados em Saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz.2006. p.49-81.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Cuidado e reconstrução das práticas de Saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 8, n. 14, Feb. 2004. p. 73-92. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832004000100005&lng=en&nrm=iso

BENEVIDES, R. A Psicologia e o Sistema Único de Saúde: quais Interfaces? Psicologia & Sociedade, v. 17, n. 2. Porto Alegre, 2005, p. 7-13.

BRASIL. Ministério da Saúde.Política Nacional de Humanização. Documento base Brasília: 2009. acessível em WWW.humanizasus.net.

CECCIM, Ricardo Burg. Invenção da saúde coletiva e do controle social em saúde no Brasil: nova educação na saúde e novos contornos e potencialidades à cidadania. In: Revista de Estudos Universitários. Cidadania. V.33 n 1, junho de 2007, Sorocaba, SP: Uniso, p. 29-47

CUNHA, T. A Clínica Ampliada. in: ______A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Hucitec,2005. p. 91-127.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia, vol. 1. Rio de janeiro: ED 34, 1995. Capítulo 1: Rizoma.

DESLANDES, Suely Ferreira. Humanização: Revisitando o conceito a partir das contribuições da sociologia médica. In:DESLANDES, Suely Ferreira (org) Humanização dos Cuidados em Saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz.2006. p.33-47.

LOPES, Graziela Pereira; MARASCHIN, Cleci. Políticas cognitivas e as propostas de intervenção e tratamento para usuários e dependentes de drogas. Psicol. clin., Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, 2008. p.149-161 . Disponível em .

MATTOS, R. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Rio de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública , 20(5):1411-1416, set-out, 2004.

MATURANA, H. Tudo é dito por um observador. In: A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. P. 53-66

NAFFAH, Alfredo Neto. O Estigma da Loucura e a Perda da Autonomia.

PELBART, Peter Pal. Manicômio Mental: a outra face da clausura. In: LANCETTI, Antônio. Saúde Loucura. nº 2. São Paulo. Ed.Hucitec, 1990.

ROLNIK, Suely, Clínica Nômade. in: Crise e Cidade: acompanhamento terapêutico (org.) Equipe de Acompanhantes Terapêuticos do Instituto A Casa. – São Paulo: EDUC, 1997.

TRAD, Leny Alves Bomfim. Humanização do Encontro com o Usuário no Contexto da Atenção Básica. In: DESLANDES, Suely Ferreira(org.). Humanização dos Cuidados em Saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro:Fiocruz.2006. p.185-203.

Nenhum comentário:

Postar um comentário